sábado, 15 de novembro de 2008

Espaço Infanto-Juvenil nas Livrarias

Uma pequena nota na revista Exame n. 931 de 19/11/2008 deu-me o gancho para este post. A nota é a seguinte: "O Brasil ganhou destaque na operação global da rede francesa Fnac. A operação brasileira, (...) é a que mais cresce no mundo, com aumento de 30% sobre as vendas de 2007. (...) Mas o destaque mais recente é a área de produtos infantis, que engloba livros, filmes e aparelhos eletrônicos. A venda de produtos para crianças cresceu tanto que, no último mês, todas as lojas da Fnac foram reformadas e a área infantil passou de 50 para 100 metros quadrados."


Fui atrás de alguns números para ajudar a comprovar a nota, mas só existem números relativos à produção de exemplares, que servem assim mesmo. Na pesquisa encomendada à FIPE pela CBL e Snel para o ano de 2007, o número de exemplares infanto-juvenis impressos foi de 23.275.320, o que equivale a mais 14,33% sobre o ano de 2006, quando foram impressos 20.357.066. Nestes números estão incluídas as vendas para governo. Como nenhum editor fica imprimindo livro à toa, pode-se inferir que as vendas aconteceram em números muito próximos da impressão. Mais um dado para ressaltar o crescimento dos infanto-juvenis: na área de literatura adulta, que é a que mais vende na maioria das livrarias, o número de exemplares impressos foi de 22.400.337 em 2006 e de 21.967.730 em 2007. Portanto, o número de impressões de exemplares infanto-juvenis foi maior do que o adulto em 2007.


Pensando bem, nem seria necessário apresentar os números acima para comprovar o crescimento da área infanto-juvenil; basta olhar para as livrarias físicas e ver como estão esses espaços e como eram eles antes do ano 2000. Uso o ano 2000 como divisor pois, nesse ano, é inaugurada a loja da Livraria Cultura no shopping Villa-Lobos em SP, que vem com a novidade de uma grande área infanto-juvenil nitidamente pensada como tal. Essa área tem um gigantesco dragão em madeira como personagem, o que possibilita a exposição diferencida de livros e permite que os pequenos leitores interajam com ele. Hoje, tanto nas grandes redes quanto nas pequenas e médias livrarias, existe uma preocupção em oferecer espaços infanto-juvenis diferenciados, inclusive com eventos nos finais de semana, com contação de histórias, teatrinho e atividades manuais lúdicas, para atrair cada vez mais as crianças e os pais ou adultos responsáveis que, assim, passaram a ter uma opção de diversão barata para as crianças. Como criança não vai sozinha às livrarias esses espaços possibilitam vendas em todos os setores da loja pois os adultos, necessariamente, também estarão nas livrarias. Quem ainda não percebeu a importância da área infanto-juvenil tanto na venda imediata, quanto na formação do consumidor de livros adultos, em que se transformará a criança de hoje, é bom se juntar ao movimento.


Para quem ainda não se deu conta, no catálogo da Zahar também existem publicações infanto-juvenis. A editora começou essa nova área em 2001 com a publicação de As Peripécias de Pilar na Grécia, de Flávia Lins e Silva. Essa nova área mantém a qualidade editorial da casa, o que pode ser atestado pelas constantes compras por parte de órgãos governamentais (PNLD, FDE, etc) e adoções escolares. Segue a relação de alguns dos títulos:





































5 comentários:

moviola disse...

Parabéns pela iniciativa Jaime! Dê uma olhada no blog da Moviola,

www.moviolalivraria.blogspot.com

e vamos fazer constante nossa comunicação 'blogueira'.

abraço,
Christian.

Taynée Mendes disse...

Olá Jaime
Legal seu blog! Muitas coisas em comum com o nosso Produção editorial!
Obrigado por nos adicionar.

Vou adicionar o seu também,
abs,

taynée

Jaime Mendes disse...

Olá Taynée,

obrigado pela opinião. Foi o Bruno Cruz quem me indicou o Produção Editorial, do qual gostei de cara. Sou muito novo neste universo blogueiro e acho que vou ficar por aqui um bom tempo.

abraço
jaime

Vania Lacerda disse...

OLá, Jaime.
Parabéns pelo blog, que estou conhecendo hoje, por indicação do Gerson em seu blog vivodelivro.
Pois olhe, gostei de sua prosa, num tom próximo e pessoal, como se estivesse frente a frente com alguém.
Quanto à área Infanto-juvenil nas livrarias, de fato está crescendo, o que demonstra que a garotada gosta de jogos eletronicos e internet, mas gosta tb de ler. De modo geral, o livreiro aumenta e investe nessa área porque ela dá bom resultado. Foi isso que fiz em minha livraria, e deu certo.
Abs,
Vania

Jaime Mendes disse...

Olá Vania,

a idéia é trocar experiências para ajudar no crescimento pessoal de cada um de nós e, conseqüentemente, do mercado. Qual o nome da sua livraria e onde fica?

abraço