domingo, 3 de junho de 2012

Amazon também no e-commerce físico no Brasil


Já está mais do que divulgado que a Amazon vai começar sua operação no Brasil ainda em 2012. O que não está claro é qual o tipo de operação: se somente o digital e/ou o e-commerce com produtos físicos também. Imagino que em novembro, no máximo, a operação começará com os livros digitais. O início da Amazon em 1995 foi com livros, mas os físicos.

Sou dos que acreditam que não teria nenhum sentido, econômico inclusive, a maior empresa de e-commerce do mundo, não trabalhar com todo seu mix de produtos no Brasil. O grande obstáculo para o início da operação com os produtos físicos é, claramente, a dificuldade logística da operação, isto é, como manter o padrão de entrega Amazon também no Brasil?

Ao longo dos últimos 11 anos a Rapidão Cometa Logística e Transportes S.A. foi representante autorizada da Fedex Express América Latina e Caribe. A Rapidão Cometa tem 70 anos de existência e sede em Recife. Atende todo o território brasileiro seja via filiais ou pontos de operação. Seguem alguns dados:
-45 filiais em 20 estados e DF;
-202 pontos de operação em todos os estados e DF, além de Fernando de Noronha;
-700 mil m2 de área construída e pátio de operações;
-3 mil veículos compõem a frota entre motocicletas e veículos utilitários leves e médios, além dos semipesados e pesados (as carretas);
-transporta containers, carga fracionada e pequenas encomendas tanto no aéreo quanto no rodoviário;
-Rapidão B2C é o serviço específico e diferenciado dentro da empresa para entregas domiciliares de pequenas encomendas ao consumidor final. Faz também a logística reversa, para os casos de troca;
-tem 9 mil funcionários;
-faz 12 milhões de entregas por ano.

Dia 29 de maio de 2012 saiu um comunicado informando a aquisição da Rapidão Cometa pela Fedex. As perguntas a serem respondidas são:
1-O que acontece/acontecerá no cenário econômico de varejo e/ou industrial que leva uma empresa de logística (a Fedex) a investir alguns milhões de dólares na aquisição de uma empresa representante?
2-Por que não continuar com a representação vigente há 11 anos?
3-Por que a necessidade de ter o controle total da operação nas mãos e não via uma representante?

Para essas perguntas vejo uma única resposta: a Amazon. Acredito que em 2013 a Amazon entrará no e-commerce brasileiro com tudo, com todo o seu mix de produtos. A Amazon é uma empresa de e-commerce. E-commerce só funciona se existir logística. Portanto, a infra-estrutura de logística já está sendo executada, preparada. Empresas, de todos os tipos, livrarias inclusive, preparem-se para a concorrência que vai chegar.

2 comentários:

Marina disse...

Saiu no Brasil Econômico um tempo atrás (http://www.brasileconomico.ig.com.br/noticias/amazoncom-inicia-vendas-no-brasil-em-1-de-setembro_114592.html) que a Amazon chegaria aqui em setembro com e-commerce de produtos físicos, mas só objetos de pequeno porte, que possam ser transportado pelos Correios. Mas né? Vai saber.

Pedro Mezgravis disse...

Tem mais uma notícia que reforça seu raciocínio, que concordo plenamente:

"Sites dos EUA cobram imposto antecipado em compras do Brasil"

http://g1.globo.com/tecnologia/noticia/2012/06/sites-dos-eua-cobram-imposto-antecipado-em-compras-do-brasil.html

A Amazon não utiliza mais o USPS (correios dos EUA) para os envios internacionais. Esse sistema de taxação antecipada é próprio dos sistemas de importação por empresas de transportes, procedimento padrão da FedEx.

Esta mesma notícia permite raciocinar que outros sites também pensam no Brasil - no caso Barneys.

Espero ter colaborado.

Pedro Mezgravis