domingo, 30 de agosto de 2009

Romance Policial 1: Enigma

O ano de 2009 agrega algumas datas comemorativas relacionadas ao romance policial, ao romance noir. São os 200 anos do nascimento de Edgar Allan Poe (19.01.1809) e os 160 anos de sua morte (07.10.1849). São os 150 anos do nascimento de Arthur Conan Doyle (22.05.1859) e os 50 anos da morte de Raymond Chandler (26.03.1959). Também são os 20 anos da morte de Georges Simenon (04.09.1989). E, estes, são somente alguns dos autores ligados ao romance policial/noir que têm suas datas de nascimento e/ou morte num ano terminado no algarismo 9. Mera coincidência ou algum mistério a ser desvendado? Neste caso, qual o detetive mais indicado para resolvê-lo?


Edgar Allan Poe é considerado o criador do romance policial. Seu conto "Os Crimes da Rua Morgue", publicado em abril de 1841 na Graham´s Magazine, é a primeira narrativa do gênero que, até hoje, atrai uma legião de leitores. É neste conto que aparece a figura do detetive que será a base para outros detetives do gênero policial enigma, como os que virão a ser criados por Conan Doyle, Agatha Christie e George Simenon dentre outros.

As aventuras criadas por Allan Poe são ambientadas na Paris do séc XIX e seu detetive, Monsieur C. Auguste Dupin, tem as seguintes características, no resumo de Sandra Reimão: "é uma máquina de pensar, que, a partir de vestígios, pistas, indícios, consegue, através de uma dedução lógica rigorosa, reconstruir uma história, um fato passado, e assim descobrir o(s) culpado(s)."

Outras características criadas por Allan Poe para o gênero policial são:
. detetive desvenda os casos, mas não os escreve;
. mora com um amigo que é o responsável pelo registro dos casos, isto é, é o narrador;
. existe um chefe de polícia que procura o detetive para ajudar a desvendar os casos inexplicáveis;
. na revelação final o detetive reconstrói a história para esclarecer como chegou à solução do caso.

Mas, Edgar Allan Poe não levou adiante seu detetive que aparece somente em duas outras histórias: "O Mistério de Marie Rogêt" em 1842 e "A Carta Roubada" em 1845. Entretanto, a base do romance policial do tipo enigma estava criada. Para o sucesso do gênero, muito contribuiu a opção pelo narrador-memorialista. Através dele o leitor é guiado e vai seguindo os passos, - mas sempre atrás -, do detetive. Portanto, fica o desafio de tentar desvendar o mistério antes do próprio detetive. Porém, nem todos os detalhes do processo de análise dos fatos, dos indícios, das pistas são revelados pelo narrador-memorialista, que também não os conhece pois, o detetive, em determinada altura da história não "fala" com ele e/ou some, desaparece por algum tempo. Assim, a resolução do mistério é encaminhada para um gran finale, onde o detetive, através de seu parceiro narrador, fará o relato de todo seu processo de investigação e análise, culminando na revelação final.

Esta, portanto, foi a primeira dupla de detetive e narrador-memorialista: C. Auguste Dupin e seu anônimo amigo. Duas outras duplas completam o que é considerado o "trio de ouro" do romance policial de tipo enigma: Sherlock Holmes e Dr. Watson, criados por Arthur Conan Doyle, e Hercule Poirot e Capitão Hastings, criados por Agatha Christie.


O escocês Arthur Conan Doyle escreve em sua autobiografia "Memórias e Aventuras", publicada em 1924 que "... o magistral detetive de Poe, M. Dupin, havia sido um de meus heróis desde a infância." Portanto, a base para o detetive Sherlock Holmes, criado por Conan Doyle, remonta a Edgar Allan Poe. Conan Doyle tem o mérito de desenvolver seu detetive, de dar-lhe determinadas características e personalidade. Holmes é misógino, morfinômano, cocainômano, sofre de melancolia, joga xadrez, adora tocar violino e fumar cachimbo, além de ser um expert na arte do disfarce, da transformação/caracterização em outra pessoa. Atrevo-me a dizer que o gênero romance policial teve seu desenvolvimento, sua continuação a partir de Conan Doyle, sendo Poe o criador.

A personagem Sherlock Holmes aparece pela primeira vez no romance "Um Estudo em Vermelho" publicado em 1887. Holmes aparecerá em mais três romances: "O Signo dos Quatro" em 1890, "O Cão dos Baskerville" em 1902 e "O Vale do Medo" em 1915. Além disso Holmes resolverá casos em outros 56 contos publicados entre 1891 e 1927.





Em 1920 a dupla criada por Agatha Christie, Poirot e Hastings, aparece pela primeira vez em "O Misterioso Caso de Styles". Não sei se notaram, mas são exatos 79 anos depois da criação de Dupin; mas uma vez aparece o algarismo 9.


Outro importante detetive foi criado por Georges Simenon: o Comissário Maigret. Sua primeira aparição foi escrita sob o pseudônimo de Christian Brulls, e acontece em setembro (mês 9) de 1929. Alguém ainda acha que é mero acaso todas estas datas terminadas com o algarismo 9?



Continua...



Fontes de pesquisa:

Christie, Agatha. O Misterioso Caso de Styles. BestBolso, 2009.

Doyle, Arthur Conan. Sherlock Holmes, edição definitiva, vol 1. Jorge Zahar, 2006.

Poe, Edgar Allan. Histórias de Crime e Mistério. Ática, 2001.

____________. Histórias Extraordinárias. Companhia de Bolso, 2008.

Reimão, Sandra. Literatura Policial Brasileira. Jorge Zahar, 2005.

http://www.livrariadocrime.com.br/?secao=entrevistas&cd_entrevista=13

http://www.poebrasil.com.br/

http://acbr.luky.com.br/index.php

http://www.lpm-editores.com.br/

4 comentários:

Silvia disse...

Esses livros simplesmente me atraem!!
Sou fã, principalmente de Agatha Christie.
Parabéns pelo seu blog, de muito bom gosto!

Maria Carolina disse...

Jaime.nós paulistanos aguardamos um post sobre a bienal do rio, suas impressões, comentários, críticas e quetais!!abraço, maria carolina

Vania Lacerda disse...

Olá, Jaime...
Bom, a Bienal certamente seria um ótimo assunto, mas se vc não estiver a fim de um post sobre isso, escolha outro assunto. Mas escolha algum, Jaime. Veementes protestos contra esse prolongado silencio...rsrs.

Jaime Mendes disse...

Olá Vania,

a demora foi culpa da bienal que gera trabalho extra de forma absurda, mas ja fiz mais um post.

Abs

jaime